O homem sempre se preocupou com a qualidade de vida para trazer satisfação e bem-estar na realização de suas tarefas cotidianas. O interesse na qualidade de vida no trabalho (QVT), no entanto, é um fato recente. Somente no século XX as empresas começaram a se preocupar com a satisfação do trabalhador no ambiente organizacional.

Durante a revolução industrial, as organizações fabris buscavam superar constantemente a produção e a lucratividade, sacrificando para isso o bem estar dos funcionários. A extensa carga horária diária, o trabalho infantil e a falta de treinamento para operacionalizar as máquinas demonstravam a maneira como o operário era visto e tratado nessa época. As funções e atividades realizadas nessa época eram demasiadamente especializadas e repetitivas, levando os trabalhadores a exaustão e alienação.

O filme Os Tempos Modernos, de Charlie Chaplin, retrata bem essa realidade. Traz uma crítica ao modelo produtivo de uma era caracterizada pelo exploração dos trabalhadores, evidenciando a divisão e a especialização do trabalho na linha de montagem. O filme mostra que os operários eram vistos como partes da engrenagem do sistema produtivo, sendo tratados como objetos.

Foi somente a partir da década de 1960 que a qualidade de vida no trabalho começou a ser estudada, dando base aos conceitos e teorias dos dias atuais. Pesquisas e estudos da época buscavam entender o comportamento humano e identificar a relação entre a satisfação e produtividade do indivíduo no trabalho. Foi neste momento que o bem estar dos funcionários passou a ter mais relevância no mundo corporativo.

Mas afinal, o que é e quais são os benefícios da Qualidade Vida no Trabalho?

O conceito de qualidade de vida no trabalho considera todos os fatores que, de alguma forma, podem interferir no bem-estar dos funcionários. Está diretamente relacionado com a satisfação de um colaborador com as atividades que realiza no seu cotidiano e com o ambiente que trabalha.

Quando uma empresa busca implementar ações de QVT, na prática ela deseja oferecer melhorias no dia a dia dos seus colaboradores, oferecendo a eles melhores condições de trabalho e um ambiente propício ao desenvolvimento profissional. Estas ações devem ser elaboradas a partir da compreensão das necessidades dos funcionários e devem auxiliar os mesmos a encontrarem um equilíbrio ideal entre a vida profissional e pessoal.

As empresas estão se preocupando cada vez mais com o bem estar dos seus funcionários, pois dependem deles para alcançar seus propósitos. Funcionários felizes, motivados e de bem com a vida se tornam mais comprometidos e contribuem para a criação de produtos e serviços de qualidade. A satisfação dos funcionários já é vista, por muitas empresas, como um pré-requisito de uma equipe participativa, inovadora e engajada nos objetivos organizacionais.

Já foi constatado que colaboradores com baixa auto-estima, desanimados e doentes rendem menos no trabalho. A insatisfação do funcionário é capaz de trazer alguns prejuízos para a organização, como gastos com indenizações e seguros, aumento do absenteísmo e baixa da produtividade no âmbito empresarial. Os funcionários, quando insatisfeitos, se tornam mais propensos a erros e costumam envolver-se em confusões.

Apesar de ser um conceito em destaque atualmente no mundo corporativo, muitas vezes prevalece o imediatismo e os investimentos de médio e longo prazo são esquecidos. Em vez de instituir e aplicar ações que busquem uma melhor qualidade de vida no trabalho aos funcionários, as empresas, numa visão míope, preferem investir em elementos capazes de aumentar a lucratividade da empresa de forma mais rápida. O bem estar dos funcionários, nestes casos, não é visto como prioridade.

Embora os resultados ainda não sejam os ideais, muitos esforços foram e vêm sendo empregado em favor da saúde dos trabalhadores, tanto nos campos da legislação e da inspeção do trabalho, como na educação, disseminação de informações, aprimoramento de técnicas de prevenção,enfim, em todos os aspectos que contribuem para a saúde e bem estar do trabalhador.

Como Proporcionar Qualidade de Vida no Trabalho

Para a empresa proporcionar uma melhor qualidade de vida para seus funcionários, é necessário primeiramente identificar as ações que podem melhorar a satisfação e saúde de seus funcionários, para então definir as práticas e programas a serem adotados.

Abaixo algumas alternativas de ações utilizadas frequentemente nas empresas, para que os colaboradores trabalhem mais felizes, satisfeitos e saudáveis. Vale destacar que todos os itens, após serem implementados, devem ser acompanhados e aprimorados constantemente.

  • Segurança e Saúde: Aparece como uma das ações prioritárias a serem implementadas pelas empresas. Inclui a disponibilização de equipamentos ergonômicos, uma jornada de trabalho justa, um bom plano de saúde, realização de ginástica laboral, entre outros.
  • Desenvolvimento profissional: Item de extrema importância. Como exemplos temos o incentivo para que o funcionário possa aprimorar suas capacidades e conhecimentos e a disponibilização de regras claras de ascensão profissional.
  • Clima organizacional: Programas e ações fundamentais para que o funcionário possa se sentir bem em seu ambiente de trabalho. Nesse ponto entra as ações de integração e respeito entre os colaboradores, incentivando a melhoria das relações interpessoais.
  • Respeito aos limites dos colaboradores: Aqui entra o respeito ao ritmo de cada funcionário, não exigindo e pressionando para que o mesmo atinja metas não factíveis. Também se enquadra nesse tópico, o respeito pelas horas extras e banco de horas de cada funcionário.
  • Incentivo de práticas saudáveis: Cada vez mais em evidência, ações nessa área tem como objetivo criar culturas mais saudáveis dentro da organização. Como exemplo, pode-se citar o incentivo para os funcionários se alimentarem melhor e a praticarem atividades físicas.
  • Reconhecimento: O reconhecimento pelo bom trabalho dos colaboradores, seja através de palavras ou de alguma forma de premiação, é algo que traz motivação e incentivo aos envolvidos.

Conclusão

A qualidade de vida no trabalho, apesar de ter evoluído muito nas últimas décadas, ainda é um tema que precisa de preocupação e atenção das empresas. Essa ferramenta organizacional, além de proporcionar diversas vantagens para os funcionários, também beneficia a empresa, pois aumenta a sua produtividade e a sua competitividade.

A implantação de programas de qualidade de vida no trabalho deve ser considerada uma estratégia tanto para o desenvolvimento pessoal e profissional de seus funcionários assim como para o seu desenvolvimento das organizações. Se a empresa não se preocupar em melhorar a qualidade de vida de seus empregados, é provável que ela nunca consiga reter seus talentos, atender apropriadamente seus clientes e se destacar no meio da concorrência.