Payback: como calcular o retorno sobre um investimento?

Payback é um termo da língua inglesa muito utilizado no campo das finanças, e tal expressão representa uma estratégia central para a realização consciente de diferentes investimentos. Isso porque, com o cálculo do payback, é possível prever com precisão em quanto tempo o investimento realizado vai trazer retorno, algo que é extremamente esperado e valorizado pelo investidor.

Logo, determinar o payback é fundamental para confirmar o que fazer com seu capital, já que representa uma métrica que pode auxiliar a determinar se vale a pena ou não proceder com a aplicação. Nesse sentido, esse indicador financeiro se apresenta como uma das inúmeras variáveis que devem ser consideradas antes da sua tomada de decisão no mundo dos negócios.

Que tal, então, realizar investimentos com segurança e com a certeza de bons resultados? Vem com a gente para entender o que é payback, além de explicações sobre os principais métodos de cálculo deste indicador e dicas de como analisar se o seu investimento efetivamente trará bons frutos!


O que é o Payback?

Pode ser definido como o tempo de retorno do capital investido. Ou seja, corresponde à estimativa do tempo necessário para que os lucros obtidos com a aplicação financeira sejam iguais à quantia inicialmente investida.

O que é o Payback
Fonte/Reprodução: original

Ao compreender a definição do indicador, podemos inferir sua importância: ele permite que o investidor preveja quanto tempo levará para recuperar o dinheiro desembolsado para a aplicação inicial, antes mesmo de realizá-la.

Com isso, o investidor pode refletir se vale a pena realizar a aplicação ou projeto, já que a partir do resultado do payback, expresso em unidades de tempo, podemos dizer que o investimento “se pagou”. Assim, a métrica permite obter mais vantagem e produtividade com os recursos financeiros.

O que significa a palavra payback?

A palavra “payback” tem origem na língua inglesa e significa “retorno”. Foi primeiramente usada com seu sentido financeiro em 1946. Assim, seu significado se aplica muito bem ao seu emprego no mundo dos negócios, definido como o tempo de retorno de um investimento.

Para que serve o Payback?

De forma geral, o intuito da utilização do payback é avaliar se um investimento vale a pena ou não de ser feito, a partir da projeção do seu tempo de retorno. Seu objetivo específico, porém, varia de acordo com o grupo que o utiliza, dos quais os principais são os empreendedores e os investidores.

Com o Payback, os empreendedores podem ver em qual período de tempo poderão recuperar o capital investido na abertura de uma nova empresa, aplicação de novas tecnologias em sua firma ou ao investir em um novo dispositivo, ou máquina, por exemplo.

A partir desse indicador, portanto, o empreendedor pode verificar se vale a pena manter o plano inicial de aplicação ou se há risco para seu negócio aguardar o tempo de retorno do capital investido.

Os investidores, por sua vez, procuram prever o tempo em que a empresa na qual aplicarão seu capital trará de volta esse valor investido. Com isso, podem avaliar se o retorno se dá em um período de tempo adequado aos seus objetivos ou se é preferível buscar novas alternativas de investimento que contem com um tempo de retorno inferior.

Como calcular todos os diferentes tipos de Payback?

O tempo de retorno do investimento pode ser calculado por dois métodos principais: simples ou descontado. Porém, antes de entender tais métodos, é preciso compreender a relação entre payback e fluxo de caixa.

Calcular o fluxo de caixa de forma adequada é uma etapa fundamental para garantir uma maior precisão do cálculo do payback, além de corresponder a uma das variáveis de sua fórmula.

Como calcular todos os diferentes tipos de Payback
Fonte/Reprodução: original

Para isso, é preciso que o gestor analise e calcule todos os custos relacionados ao investimento, por exemplo, custos administrativos e operacionais, custos com a aquisição de novas tecnologias ou contratação de funcionários, assim como as receitas correspondentes.

A partir desse levantamento, é possível obter um saldo médio do fluxo de caixa, que será correspondente a determinado período de tempo, como mensal ou anual. Assim, é possível compreender quanto aquele investimento trará de receita para a empresa nesse período de tempo determinado. Conheça uma calculadora de rendimento de juros.

Agora que já compreendemos como determinar o fluxo de caixa, veremos a seguir como calcular com exemplos explicativos!

Método Simples de Cálculo Payback

O método simples de cálculo do payback é objetivo, de fácil compreensão, porém apresenta limitações, sobretudo ao considerar investimentos de longo prazo, visto que não leva em consideração variáveis importantes, como alterações da inflação. Com isso, é uma forma de avaliação do tempo de retorno um pouco menos precisa.

Para calcular o indicador dessa maneira, basta dividir o capital investido inicialmente no projeto pelo fluxo de caixa médio correspondente ao período analisado.

Para entender melhor de forma prática, vamos considerar uma indústria que pretende associar uma nova máquina que custa 36 mil reais à sua linha de produção. Ao descontar o valor de manutenção e depreciação do maquinário, tem-se a receita que a nova tecnologia agrega à indústria, definida em 6 mil reais, a qual corresponde ao saldo médio do fluxo de caixa.

Para calcular o payback do projeto dessa indústria, basta dividir 36.000 por 6.000, chegando ao resultado de 6 meses. Ou seja, a empresa levará 6 meses para recuperar o valor do novo investimento.

É importante observar que a unidade temporal correspondente ao resultado obtido depende da unidade temporal utilizada no fluxo de caixa.

No exemplo que colocamos, o lucro obtido com o novo investimento era mensal, de modo que o resultado obtido foi expresso em meses. Entretanto, se a receita proveniente do novo maquinário fosse anual, o resultado seria expresso em anos.

A grande limitação desse método é que, de forma geral, os rendimentos obtidos com os novos investimentos não são constantes, além da alteração do valor do capital, com o passar do tempo. Assim, para minimizar tais prejuízos, o payback descontado foi desenvolvido.

Método Descontado

O descontado, por sua vez, permite uma previsão financeira mais fiel, já que considera a valorização ou desvalorização monetária ao adicionar uma taxa de desconto à receita. Assim, o período de tempo obtido será consequentemente maior que o resultado do payback simples.

Por ser mais confiável e vantajoso, acaba por possuir um cálculo mais complexo com dois novos conceitos a serem compreendidos: taxa mínima de atratividade (TMA) e valor presente líquido (VPL).

A taxa mínima de atratividade corresponde a uma métrica utilizada para definir a rentabilidade mínima que se espera do investimento. É definida pelo gestor e a taxa mais comum de ser utilizada é a taxa de juros básica da economia (SELIC).

O valor presente líquido, por sua vez, corresponde ao valor do fluxo de caixa atual, porém adaptado às condições futuras a partir da utilização da TMA como desconto. Pode ser calculado pela fórmula simplificada: VPL = Fluxo de caixa / (1 + TMA)¹.

Após a determinação do VPL é só prosseguir para o cálculo do payback descontado, que agora, após o entendimento das demais variáveis, se torna fácil: basta dividir o capital investido inicialmente pelo VPL.

Agora, para ilustrar o conhecimento obtido, podemos calcular o payback descontado a partir do exemplo da indústria anterior. Vamos considerar uma TMA de 10%. Aplicando na fórmula, teremos:

  • VPL = 6.000 / (1 + 0,10)¹
  • VPL = 6.000 / 1,10
  • VPL = 5.454,54

Prosseguindo ao cálculo do payback descontado, teremos:

  • Payback descontado = 36.000 / 5.454,54
  • Payback descontado = 6,6

Com isso, podemos observar um aumento do indicador, em especial quando comparamos ao cálculo simples.

Quais são os prós e contras do Payback?

O objetivo do cálculo é, de fato, ser um grande salvador dentro do mundo dos negócios. Afinal, quem não gostaria de saber quando terá seus rendimentos, não é mesmo? Porém, nada é perfeito, e tudo apresenta seus prós e contras.

Por ser uma métrica financeira, o payback apresenta diversas vantagens e desvantagens em sua utilização. O ideal é usá-lo de forma correta, para obter da estratégia o máximo de benefícios.

Prós

O cálculo do payback, como visto, pode ser realizado a partir de fórmula objetiva e descomplicada, de modo a facilitar a compreensão e emprego da estratégia, sobretudo no modelo simples;
Permite avaliar quão arriscado o investimento pretendido é, ao demonstrar o nível de liquidez e risco, baseado no tempo de retorno;

Auxilia de forma fácil e corriqueira na deliberação de novos investimentos, ao demonstrar sua viabilidade;

Permite ampliar a segurança de aplicações financeiras, sobretudo em contextos de instabilidade econômica;

Possui sua utilidade ampliada em situações de investimentos com risco muito elevado e projetos de vida útil limitada.

Contras

Sua utilidade é reduzida para projetos de longo prazo, visto que não leva em consideração os rendimentos após a recuperação do capital inicial;

  • Além disso, investimentos de prazo ampliado costumam ser influenciados por alterações da inflação e das taxas de juros ou oscilações de custo, o que também o torna um indicador financeiro limitado, nesses casos;
  • Apresenta limitações para projetos de grande porte ou complexidade;
  • A métrica reconhece os fluxos recebidos em diferentes períodos de forma distinta, ou seja, desconsidera os ganhos obtidos nos intervalos anteriores ou posteriores ao payback;
  • Por fim, o modelo simples de cálculo compreende o tempo de retorno de forma superficial, já que desconsidera índices de referência e correção monetária.

No entanto, ainda que haja algumas desvantagens, devemos levar em consideração que toda informação que auxilie as tomadas de decisão com base em métricas tangíveis é muito útil para o desenvolvimento das estratégias da empresa.

Como eu posso analisar o Payback?

Agora que já compreendemos o que é o payback, sua importância e como calcular, devemos pensar em como o indicador pode ser analisado. É fundamental ter em mente que a métrica corresponde ao tempo de retorno do seu investimento, de modo que a primeira coisa a se pensar é se vale a pena aguardar esse determinado período para começar a lucrar com a aplicação, e o quanto seu caixa está preparado para essa espera.

Assim, uma questão essencial de se atentar é a situação atual da empresa. Por exemplo, uma empresa fragilizada no momento do investimento pode se beneficiar mais de uma aplicação que tenha uma taxa de rendimento menor, porém um retorno mais curto.

Nesse caso, deixar um investimento de maior risco para outro momento pode ser uma estratégia inteligente. Com isso, uma função secundária do payback pode ser o auxílio a determinação de quais serão os próximos passos do projeto almejado. Isso porque permite ao investidor uma análise rápida e objetiva de suas perspectivas futuras.

Outro ponto a ser salientado é que, dada a complexidade do mundo financeiro, o payback não deve ser um indicador avaliado isoladamente para a tomada de decisão do gestor ou investidor. Outros parâmetros a serem analisados incluem o Retorno Sobre o Investimento (ROI), a Taxa Interna de Retorno (TIR) e a rentabilidade.

O payback, portanto, é um indicador que se apresenta como um aliado na avaliação da viabilidade da realização de investimentos por parte de empreendedores e investidores, já que auxilia na determinação do risco do projeto pretendido.

Cabe ao gestor analisar as condições da sua empresa para definir com mais segurança e consistência a aplicação mais adequada de seu capital. O ideal é optar por investimentos com maior liquidez e menor risco, sem deixar de reservar uma quantia para possíveis eventos inesperados.

Por fim, pontos fundamentais que podem lhe guiar no sucesso de suas transações no mundo financeiro incluem: prudência, planejamento, avaliação de risco e conhecimento da própria empresa ou projeto. Portanto, não deixe de avaliar outras opções de aplicação com diferentes períodos de retorno e rentabilidades, por exemplo, antes de tomar a decisão final.

bannner cadastro empresa

© 2013-2024 Cadastro Empresa

Política de Privacidade

Você já conhece nossas redes sociais?!