Cadastro Empresa

Será que você tem perfil para ser empresário?

Perfil Empresario

Ter uma empresa é o sonho da maioria das pessoas. Conciliar vida pessoal e profissional, tirar férias quando quiser, determinar seus próprios horários... Por outro lado, ser responsável pelo sucesso de um negócio pode ser uma experiência solitária, enquanto abrir mão da segurança financeira de ter um emprego pode ser mais difícil do que você imagina.

Embora seja nítido o crescimento das micro e pequenas empresas no Brasil, sabe-se também que muitas delas não sobrevivem aos primeiros anos de vida, em razão da competição do mercado e, sobretudo, à falta de orientação adequada para a condução do empreendimento. Dados do Sebrae mostram que pelo menos 60% das MPEs morrem antes de completarem cinco anos de atividade.

Por este motivo, um ponto fundamental é avaliar, antes de tomar qualquer atitude, se você tem o perfil adequado, o famoso "tino empresarial", para montar seu próprio negócio e enfrentar o caminho tortuoso que, se bem conduzido, poderá levá-lo ao sucesso.

Você está preparado para se dedicar integralmente?
Quanto mais o empresário se dedica ao seu negócio, maior a rentabilidade da empresa. A afirmação se baseia em estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que constatou que o lucro da empresa aumenta em 1% para cada hora a mais que o empresário trabalha.

Também é importante estar focado nas atividades da empresa: quem quer fazer muitas coisas ao mesmo tempo acaba não fazendo nada direito. O mesmo estudo constata que o resultado de uma empresa administrada por um empresário que se dedica a outras atividades fora a empresa é até 9% menor do que o resultado das empresas que contam com a dedicação integral do empresário.

Se você não está preparado para abrir mão de ter um horário específico de trabalho, é bom pensar duas vezes antes de abrir o seu negócio, pois o ditado "é o olho do dono que engorda o gado" parece ser bastante verdadeiro quando se trata de administrar um negócio próprio.

Como você se relaciona com as pessoas?
Muitas pessoas acreditam que basta ter conhecimento técnico do produto, ou serviço, para ter sucesso nos negócios. Mas não é bem assim. Ainda que o conhecimento do ramo de atividade da sua empresa seja importante, você depende de outras pessoas para manter as portas do seu negócio abertas e é preciso saber se relacionar com elas.

Além disso, para vender não basta conhecer o produto, é preciso conseguir convencer o seu cliente. Não estamos falando de conhecimentos de marketing ou vendas, mas simplesmente capacidade de se comunicar e relacionar com os outros. Tente avaliar se você se relaciona bem com outras pessoas. Lembre-se que boa parte do seu dia envolverá a administração de pessoal, sejam eles funcionários, clientes ou fornecedores. É preciso ter muito jogo de cintura para administrar interesses distintos.

Esteja aberto a sugestões de terceiros. Pois, por mais experiente que você seja, muitas vezes você está tão envolvido com o assunto que não vê ele como realmente é. Ser bom ouvinte faz parte da sua capacidade de se comunicar e relacionar com os outros.

Sabe gerenciar bem seu dinheiro?
É claro que, para iniciar um negócio, você precisará de capital. Portanto, é preciso entender qual a sua capacitação no que se refere ao gerenciamento financeiro de contas. Como indivíduo, você sabe gerenciar seu dinheiro ou é daqueles que estão sempre pagando as contas em atraso, e entrando no limite do cheque especial, porque não se planejaram direito?

Se você não conta com dinheiro suficiente para abrir seu próprio negócio, é possível levantar um financiamento. Neste caso, você deve dedicar algum tempo à elaboração de um plano de negócios, de forma a facilitar a liberação dos recursos. Mais ainda, ao elaborar este plano, você poderá se assegurar que o negócio é efetivamente viável. Lembre-se, quanto mais preparado para defender a viabilidade do seu negócio você estiver, mais fácil será tomar dinheiro emprestado.

Faça suas contas direito. Não se esqueça que todas as empresas precisam de tempo para equilibrar suas contas e garantir um retorno financeiro. Por isso, programe-se para trabalhar com uma margem financeira que lhe possibilite alguns meses de adaptação. E nunca, em hipótese alguma, misture as suas contas pessoais com as da empresa.

Está disposto a assumir riscos?
Montar seu próprio negócio requer uma boa dose de ousadia, empreendedorismo e, principalmente, coragem de enfrentar os riscos comuns à abertura de uma empresa. Por mais estruturada que seja a sua estratégia, há sempre a chance de algo não sair exatamente como você imaginou, de surgir uma concorrente forte que lhe dê certo trabalho, enfim, situações difíceis de prever e de contornar.

Para isso, você precisará de equilíbrio e visão. Um dos aspectos mais difíceis de se tornar um empresário envolve a capacidade que a pessoa tem em aceitar decepções ou fracassos e mesmo assim continuar lutando. As dificuldades deverão ser vistas como um motivo a mais para seguir em frente, sem desistir ou se dar por vencido logo de início. Enxergar oportunidades: esta deve ser uma de suas principais funções.

Você está constantemente informado?
Para sobreviver a este mercado acirrado é necessário que você realmente o conheça e esteja atento às novas tendências apresentadas em seu setor, ao trabalho da concorrência, aos preços e às tecnologias mais avançadas, com o objetivo principal de constantemente abrir novas frentes de negócio.

É importante também que você conte com o apoio de profissionais especializados em determinadas áreas do gerenciamento de uma empresa. Eles não precisam, necessariamente, ser seus funcionários. Você pode optar pela terceirização, desde que mantenha uma estrutura que lhe dê segurança.

Não basta se manter informado, você precisa assegurar que a informação circule de forma adequada dentro da sua empresa. Mas, ela téra pouca utilidade se não estiver organizada. Portanto, estabeleça regras para seu uso e armazenamento.

Você se considera organizado?
Organização é uma característica essencial para quem está pensando em abrir um negócio: afinal, você precisa conciliar várias funções. Muito dificilmente você poderá contar, na abertura da empresa, com uma equipe muito grande. Suas reservas seriam gastas logo de início. Por esta razão, muito do serviço inicial deverá ser feito por você. Neste período, você perceberá também que não lhe restará muito tempo livre. Esteja preparado para isso.

É dinâmico e rápido para tomar decisões?
O empresário deve ter em seu perfil o dinamismo, para que se dedique às diversas atividades e capacidade para decidir rapidamente qual o caminho a seguir. Tudo isso deve ser somado ainda à liderança, já que, mais cedo ou mais tarde, supervisionará o trabalho de uma equipe, e otimismo, para sobreviver às dificuldades que poderão surgir em sua trajetória.

Montar um negócio exige muita dedicação e perseverança. Não é de um dia para o outro que a sua base de clientes vai crescer e é preciso estar preparado para as eventuais decepções. Lembre-se que muitas vezes o fato da sua empresa não fechar um negócio não é culpa sua, mas sim resultado de uma conjuntura maior.

Parece difícil? Trata-se sim de um longo caminho a percorrer. Mas, o sucesso depende, principalmente, de você! Adote uma postura positiva em relação aos desafios planejando-se, contando com uma rede de apoio (networking) e, sobretudo, não se esquecendo de dedicar algum tempo para a sua vida pessoal.

Depois de escolher um produto e estruturar um modelo de negócio, o empreendedor que quer abrir sua empresa precisa passar por uma série de etapas burocráticas até poder trabalhar legalmente. É preciso definir qual será o porte da empresa, onde ela estará localizada e o regime tributário.

Para ajudar quem quer empreender, Marcelo Ulliana, consultor jurídico do Sebrae de Osasco, deu todas as explicações durante a Feira do Empreendedor 2016. Confira abaixo o passo a passo necessário para abrir uma empresa:

Qual tipo de empresa devo abrir?

Em primeiro lugar, é preciso definir qual será o tipo societário da empresa – o que significa, basicamente, pensar em quantas pessoas estarão envolvidas no negócio. Segundo Ulliana, existem três opções para o empreendedor escolher: Empresário Individual, Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli) ou Sociedade Limitada.

Empresário Individual e Eireli são modalidades em que o empreendedor pode abrir uma empresa sozinho, enquanto a Sociedade Limitada exige ao menos um sócio. A diferença entre os dois primeiros é que no Eireli há separação jurídica entre os bens pessoais e os negócios do empreendedor. 

Em caso de problemas, o empreendedor que optou pela Eireli responde na Justiça primeiramente como empresa, e não como pessoa física. A Sociedade Limitada também possui a separação jurídica dos bens.

O único requisito exigido para o empreendedor que quer optar pela Eireli é ter um capital social no valor de cem vezes o salário mínimo. atual. O capital pode ser calculado somando todos os ativos disponíveis no negócio, como computadores, carros e imóveis. Não há exigência de recursos mínimos para Sociedade Limitada e Empresário Individual.

Qual o porte da minha empresa?

Depois que o empreendedor definiu como será composto seu negócio, ele precisa pensar no porte que sua empresa terá no começo. Nesse etapa, também existem apenas três opções disponíveis, que são escolhidas de acordo com o faturamento anual da empresa. São elas: Microempresário Individual (MEI), Micro empresa (ME), e Empresa de Pequeno Porte (EPP).

O MEI pode ser escolhido apenas por Empresários Individuais, e nele é permitido um faturamento anual de até R$ 60 mil. A ME e a EPP podem ser feitas com todos os tipos societários descritos acima. Na ME se enquadram as empresas com faturamento anual de até R$ 360 mil, já na EPP a faixa de faturamento começa nos R$ 360 mil e vai até R$ 3,6 milhões.

A variação no porte da empresa diz respeito à quantidade de impostos que serão pagos. Quanto à formalização, o Empresário Individual que optar pelo MEI pode fazer seu cadastro no Portal do Empreendedor. Nesse caso, o cadastro do MEI no portal já fornece um CNPJ ao empreendedor, o que permite o início da atividade comercial. Já aqueles que escolheram Sociedade Limitada ou Eireli e forem abrir uma ME ou EP são obrigados a contratar um contador, que ficará encarregado da burocracia.

Para encontrar um contador, Ulliana recomenda que o empreendedor busque um órgão de classe, como uma associação de contabilistas da região em que mora, ou um sindicato. "O Sescon (Sindicato dos Contabilistas) é o órgão mais representativo que nós indicamos no Sebrae", diz

Confira tudo com a prefeitura

A próxima etapa é conferir se a atividade comercial que será exercida pode ser praticada no endereço desejado. Para isso, é preciso entrar em contato com a prefeitura, que irá conferir as limitações do zoneamento do município e emitir uma certidão para uso do solo – nessa etapa, é importante estar com o IPTU do imóvel em mãos.

Em algumas cidades, o empreendedor pode conferir o zoneamento e conseguir a certidão de uso do solo pela internet, mas em outras é preciso ir pessoalmente ao prédio da prefeitura. O consultor recomenda sempre conseguir a certidão de uso do solo antes de contratar um aluguel, pois "dependendo do local e do tamanho da empresa, pode ser que a prefeitura permita um MEI, mas não uma ME. Uma empresa que vá exigir circulação de caminhões ou que precise de estoque, por exemplo, não será liberada em uma zona residencial", explica.

Ao mesmo tempo em que for conferir com a prefeitura o zoneamento, o empreendedor também deve verificar as autorizações extras que irá precisar para abrir seu negócio. "Se eu for abrir uma lanchonete, por exemplo, irei utilizar botijão de gás, então precisarei da autorização do corpo de bombeiros". O consultor também cita como exemplos as certidões da vigilância sanitária e da Secretária Estadual do Meio Ambiente, que vistoria a poluição e o barulho produzidos por pequenas indústrias.

Segundo Ulliana, as MEs e as EPPs podem solicitar ao contador para cuidar dessa parte burocrática, mas o serviço é cobrado por cada etapa, e o preço varia de acordo com a cidade da empresa.

Abra a empresa e defina o regime tributário

Depois de conferir tudo com a prefeitura, o empreendedor já poderá abrir sua empresa. Como já dito, o MEI é aberto pelo próprio empreendedor na internet. Enquanto as MEs e as EPPs são abertas na Junta Comercial pelo contador.

O regime tributário do MEI é composto por um imposto mensal fixo de 5% do salário mínimo, mais R$ 5 se o empreendedor for prestar serviços e R$ 1 se ele for contribuinte do ICMS. O ICMS será pago apenas por aqueles que forem trabalhar no comércio ou na indústria.

As MEs e as EPPs contam com três opções de tributação: o Simples nacional, o Lucro Presumido e o Lucro Real. No Simples Nacional, todos os impostos são agrupados em uma única guia de pagamento. A tributação, portanto, é feita de uma vez, e a porcentagem dos impostos é fixa, com base no faturamento do negócio. Empresas com até R$2 80 mil de faturamento pagam uma alíquota de 4%, enquanto outras com faturamento entre R$ 180 mil e R$ 360 mil pagam um taxa de 5,7%.

"No Lucro Presumido, é como se o governo estivesse prevendo o quanto a empresa terá de lucro". Assim, ao contrário do Simples Nacional, os impostos no Lucro Presumido são calculados e pagos separadamente, e o governo estipula uma porcentagem fixa para cada um deles. Se a empresa estiver com um lucro acima do presumido pelo governo, essa é a melhor opção.

Por último, o Lucro Real é aquele em que a empresa precisa comprovar seus gastos e rendimentos todo mês. Essa modalidade pode ser mais vantajosa para as empresas que estiverem com porcentagem de lucro menor que as presumidas pelo governo, pois as taxas cobradas variam com o lucro obtido.

O planejamento tributário é sempre feito por um advogado tributarista ou um analista fiscal que podem ser contratados por recomendação do contador. Como esses profissionais cobram pela atividade exercida, Ulliana alerta que o Simples Nacional acaba sendo muito mais barato, pois exige menos cálculos.

"Para o início, o ideal é seguir com o Simples Nacional. Quando a empresa crescer, expandir para novos estados e contratar funcionários, será bom rever os planos e considerar uma tributação mais complexa", recomenda Ulliana.

Nota fiscal

Para que o empreendedor possa emitir nota fiscal, ele precisa pedir autorização para a prefeitura ou para a receita estadual, dependendo do seu negócio.

Prestadores de serviços pagam impostos para o município quando emitem nota e, portanto, devem entrar em contato com a prefeitura. Algumas cidades contam com serviços online que facilitam esse processo, mas outras exigem que o empreendedor vá até o prédio da prefeitura.

Por outro lado, as empresas que forem trabalhar com comércio ou indústria pagam impostos para a Secretaria da Fazenda do estado em que estiverem e podem solicitar a permissão nos respectivos sites.

Autor: Valdir Ribeiro Jr